Como escolher um bom advogado?

A escolha do advogado certo é decisiva, pois será ele a pessoa em quem se deposita toda a confiança e quem melhor aconselhará a defesa dos direitos dos clientes.

Quais são as razões para contratar um advogado? Para fazer a escolha certa do advogado, você deve levar em consideração 5 critérios:

  • A natureza do caso a ser confiado ao advogado.
  • A localização geográfica do escritório.
  • O primeiro contato estabelecido com o futuro advogado.
  • As taxas.
  • A reputação do advogado.

Levando em consideração esses diversos fatores, será possível determinar se o advogado que você contatará é o adequado para o caso.

Veja também – Para que serve um advogado criminal

Escolhendo um Bom Advogado

1) A natureza do caso confiado ao advogado

Em primeiro lugar, é determinado se é necessário aconselhamento jurídico ou assistência em tribunal. Alguns advogados se especializam em aconselhar, enquanto outros buscam a defesa em caso de litígio ou conflito.

É necessário avaliar o caso e decidir se a intervenção de um advogado especialista é necessária ou não. Existem dois tipos de advogados:

  • Advogados gerais e advogados especializados

Os advogados especializados possuem certificados de especialização (obtidos após anos de experiência e exames profissionais perante a Ordem dos Advogados).

Se você estiver procurando um advogado para um processo de divórcio, um caso relacionado ao direito do trabalho ou direito imobiliário, deve recorrer a um advogado especializado na área de que você precisa.

O advogado generalista geralmente acompanha os clientes durante todo o processo para aconselhá-los, ou para necessidades específicas quando se deparam com um problema mais específico.

Porém, se o caso diz respeito a uma área do conhecimento muito específica ou é particularmente complexo, é altamente recomendável a escolha de um advogado especializado, por exemplo, o advogado bancário, visto que conhece o assunto e os procedimentos em causa.

2) A localização do advogado

É muito comum as pessoas escolherem escritórios de advocacia próximos de sua residência. É realmente uma boa ideia?

A escolha de um advogado perto de sua casa pode ser vantajosa em casos simples, em que não é necessário recorrer a um especialista. Se o advogado for escolhido fora de casa, podem ser efetuadas despesas de deslocação e de candidatura para a prática dos atos e procedimentos na Ordem dos Advogados de que faz parte o processo, se este não estiver registado. Portanto, é preferível escolher um advogado próximo para questões rotineiras, de modo a não incorrer em despesas adicionais.

Porém, é preferível escolher o advogado em função do grau de especialização, mesmo que não exerça perto da residência, se assim for, pode ser exigida uma perícia particular que só um especialista pode exercer. As trocas podem ser feitas por telefone ou e-mail para reduzir custos com viagens.

3) Contato com o advogado

Critério menos específico, mas igualmente importante, o primeiro contacto que se estabelece com o advogado é um indicador muito importante da qualidade do trabalho.

Um bom advogado deve ter um papel pedagógico para estar ciente do que está em jogo no caso. Portanto, você deve prestar atenção ao comportamento do advogado em relação ao caso durante a primeira reunião para saber se a escolha correta está sendo feita:

  • Explique claramente o que o tratamento do caso acarreta.
  • Faça perguntas para entender cada necessidade?
  • O advogado está atento?
  • Você parece ter um bom conhecimento do assunto?

Além disso, a disponibilidade do advogado também é um critério essencial: deve-se receber informações sobre a evolução do caso e atender a cada solicitação. Desde o início da tramitação do processo, o advogado pode ser consultado sobre o meio de comunicação preferido, para evitar surpresas desagradáveis.

No entanto, é importante confiar no advogado, e ressaltar que o tempo gasto ao telefone costuma ser faturado, assim como o tempo gasto na consulta, com base nas condições estipuladas no contrato de honorários.

4) Honorários advocatícios

Os honorários, que variam amplamente de advogado para advogado, não são necessariamente representativos da qualidade do trabalho do especialista.

A remuneração do advogado depende de muitos fatores, como as condições de trabalho (dimensão do escritório, presença de assistentes, etc.), reputação, experiência, mas também da dificuldade de cada caso e da situação financeira.

Um bom advogado informará desde a primeira reunião sobre os honorários (taxa fixa / hora) e o que exatamente eles incluem (despesas de viagem, honorários de especialistas, etc.). Todas essas informações devem ser formalizadas em um contrato de trabalho. Este documento é obrigatório e serve como um contrato entre ambas as partes.

Uma vez que os honorários advocatícios não são regulamentados, você é livre para aplicar quaisquer taxas que desejar. Da mesma forma, fica livre para não aceitá-los e escolher um advogado com um honorário mais adequado ao orçamento disponível.

5) A reputação do advogado

Por fim, a reputação do advogado no domínio dos negócios online pode ser um critério muito importante na escolha. No entanto, é importante ser objetivo com as informações que você possui.

É comum um litigante recorrer a um advogado porque ele foi recomendado. Antes de buscar o conselho de um advogado, você deve verificar se possui as habilidades necessárias para lidar com o caso e se os honorários são adequados ao seu orçamento.

Além disso, a visibilidade do advogado na Internet é um forte indicador de confiança. Na verdade, a maioria dos advogados tem um site, blog ou podem ser consultados. Desta forma, você pode conhecer e comparar os advogados que se adaptam a cada necessidade.

Além disso, pode encontrar na Internet muita informação (honorários, assistência jurídica, áreas de intervenção, etc.), o que lhe poupará o trabalho de contactar vários escritórios de advogados para obter informações sobre estes elementos.

Todos os advogados têm as mesmas habilidades? 

Cada advogado é livre para se especializar, aprovando um título adicional: o certificado de especialização. Para solicitá-lo, o advogado deve ter pelo menos vários anos de experiência.

Somente os advogados que possuam certificado ou menção de especialização podem se dizer “especialistas” na área em que atuam junto ao cliente.

No entanto, as habilidades de um advogado não se limitam ao conhecimento jurídico. Na escolha do advogado, outras habilidades, humanas e relacionais, devem ser levadas em consideração. O objetivo é, acima de tudo, encontrar o advogado certo para cada caso, para aconselhar, representar e defender cada cliente.